SECÇÃO: Sintra

Óbito
Na morte de Ana Daniel

A poeta sintrense Ana Daniel faleceu no dia 30, na sequência de doença prolongada
A poeta sintrense Ana Daniel faleceu no dia 30, na sequência de doença prolongada 
A poeta sintrense Ana Daniel faleceu no dia 30, na sequência de doença prolongada. De seu nome de baptismo Maria de Lourdes d’Oliveira Canellas da Assunção Sousa, foi autora de dois livros – Momento Vivo e Nos Olhos das Madrugadas – e de um acervo de poemas ainda por classificar e publicar, trabalho nesta data nas mãos de familiares.

Entre muitos dos poetas que preferia, a norte-americana Emily Dickinson ocupava um lugar de destaque.

“Um dos motivos dessa admiração residia na discrição da sua vida e na forma reservada, quase de clausura, com que escrevia e guardava os seus trabalhos, sem qualquer urgência de reconhecimento ou planos de publicação”, disse Fernando Sousa, um dos cinco filhos, jornalista e co-depositário do seu espólio literário.

Ana Daniel nasceu em Lisboa, Campo de Ourique, em 1928, filha, com mais quatro irmãos, de Mário Canellas e de Maria Eugénia d’Oliveira Canellas. Casada com Fernando d’Assunção Sousa, trocou, em 1950, o bairro da sua juventude, Campo de Ourique, por Sintra, onde passou a viver e teve cinco filhos.

Entregou-se à poesia aos quinze anos, com trabalhos publicados em jornais e revistas nacionais e do então Ultramar. Ganhou prémios juvenis, assinando por essas idades com Ana Arlési, o seu primeiro pseudónimo. Mas foi aos vinte anos que deu à sua escrita o rumo e a intensidade que marcaram o seu trabalho poético.

A obra recolhida em Momento Vivo (Edições Panorama, 1970), o seu primeiro livro, Prémio do Concurso de Manuscritos de Poesia de 1969, é a palavra entre a estranheza e o irreparável.

Nos Olhos das Madrugadas (Arbusto Editores, 2010), o último, é já a solidão com corpo e alma, tecida por perdas e ausências, e pela saudade, porventura o sentimento mais recorrente do seu lirismo, uma filigrana de emoções ora de aceitação ora de inconformismo – aqui de abandono, desencanto e quase rebelião.

Além de Dickynson, nutria uma admiração particular por Robert Browning, Rosalía de Castro, Sebastião da Gama, Álvaro de Campos (Fernando Pessoa), Sophia de Mello Breyner, Pablo Neruda, Eugénio de Andrade ou Florbela Espanca, que admirava, cada um por motivos diferentes, como espíritos maiores de um mundo obrigado a ser terreno, contingente e mortal.



4 Dez 2011, 20:50h


Votar:
Resultado:
107 Votos

Comentários dos nossos leitores
Margaridagomes.margarida@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Sentida e bonita imagem, mesmo para quem não a conheceu.
 
Vítor Silva e Sousasilvaesousa@netcabo.pt
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Tenho o grato prazer de ter um exemplar com dedicatória autografada do seu último Livro. Que a sua Alma regresse a Deus em plena Felicidade.
 
Helena Agueda Marujolenaamarujo@yahoo.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Que homenagem bela, de quem com ela aprendeu a tecer palavras...A vida enche-se de mortes, mas a morte também se pode encher de tanta vida!
 
Carla Afonsocarlafonso@mail.telepac.pt
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Ninguém morre verdadeiramente enquanto estiver presente na vida dos outros. Não conheci a Ana pessoalmente, mas tenho o privilégio de ser amiga de uma das suas mais brilhantes obras: a Baléu.
 
Isabel Botelhoisabel.m.botelho@hotmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Bonita homenagem, escrita por quem como ele tem o dom na ponta da caneta. Que descanse em Paz e que os filhos superem a saudade que nos deixa a todos. Isabel Botelho
 

Diga o que pensa sobre este texto. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

GosteiConcordo
Comentários
NomeEmail
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
 
© 2009 Ocidente | Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.